Hoje foi um dia lindo, mas…

Hoje foi um dia lindo, almejado eu diria, após um dia de inúmeros desafios e aquela velha e conhecida culpa e sensação de fracasso após o duelo corriqueiro da minha mente tagarela repleta de crenças limitantes enquanto “enfrentava” uma criança nitidamente necessitada de conexão.

Enquanto escrevo essas palavras me sinto ridícula ao dizer que “enfrentava” (isso explica as aspas), uma criança de dois anos e nove meses – o meu filho. A maternidade é muitas coisas, fato, mas definitivamente não é uma batalha, não há o que – ou não deveríamos ter que – enfrentar nem nossos filhos nem ninguém, e ao me ver “enfrentando” meu filho de dois anos e nove meses, me dou conta de que estou enfrentando a mim mesma.

Depois de abrir meu coração e me reconhecer como uma pessoa agressiva, eu abri, para mim, a possibilidade de um caminho, que ainda está certamente cheio de pedregulhos, que agora, no entanto, eu consigo enxergar. Recaídas acontecem, e hoje me vejo num momento de “erros conscientes” que antes vagavam pelo mundo do subconsciente e sem que eu tivesse coragem ou maturidade ou ambos, para acessar. Agora eu tenho. E me responsabilizo, às vezes (na grande maioria ainda) me culpo, me sinto uma fraude, e depois me acolho revisitando toda a trajetória que me fez caminhar até aqui. Certa vez ouvi uma frase que me impactou e sigo refletindo sobre ela: “o caminho se faz caminhando”. E preciso me ancorar nela para entender que o processo é exatamente esse, o de caminhar, o de continuar tentando até que, o que é hoje um erro consciente se torne um acerto inconsciente. É não desistir, nem de mim, nem do meu filho, nem da nossa família. É enfrentar cada queda de frente, tirar a poeira e seguir caminhando, também para frente, ainda que a queda nos faça voltar 3 passos atrás. Essa é a verdadeira poética da resistência ❤️ “a gente quer parar, mas a gente teima” e seguimos nos comprometendo com a gente, com o nosso auto amor, auto cuidado, e sobretudo com o auto conhecimento que, ambíguamente, nos rasga e nos liberta.

Hoje foi um dia lindo, com uma noite desafiadora, um choro, uma frustração, e a tomada de consciência horas mais tarde de que a culpa é resultado do meu Ego querer controlar o que não é controlável… A vida.

Hoje foi um dia lindo e ainda é.

Este Texto foi escrito por: Iara Schmidt (participante do ZumZum 6)
Iara é mineira, e como boa sagitariana é uma viajante nata e buscadora de si. Mãe de um aquarianinho nascido em fevereiro de 2016 – fonte do puro amor e inspiração infinita – realizou da gestação ao puerpério ritos de passagem que transformaram – e continuam transformando – sua essência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *