Um compartilhar de uma mãe inspiradora…

Queridas mamães, é a primeira vez que escrevo para vocês e gostaria de compartilhar o motivo que me levou a conhecer a Escola de Pais Bee Family e como isso foi impactante na minha vida.

Mudança de rotina

Logo após ter minha primeira e única filha, a Maria Luíza, que atualmente está com quatro anos, pensei que enlouqueceria nos primeiros três meses. Eu queria manter a amamentação e, como ela chorava muito e era magrinha, tive muitas dúvidas se o meu leite a estava nutrindo adequadamente.

Apesar das dificuldades, mantive a amamentação até os três anos e meio da minha filha. Acredito que, após o término da licença maternidade, continuar amamentando era uma forma de manter o vínculo, já que trabalho o dia todo e a minha pequena permanece período integral na creche.

Enfim, acredito que o término da amamentação foi mais difícil para mim do que para a Maria Luíza.

O fato é que, durante o primeiro ano de amamentação, engordei muito. Eu acordava várias vezes durante a noite e, creio que, para combater o cansaço, comia  várias vezes por dia e tomava muito café, independentemente do horário.

Assim, dormia pouco, me alimentava mal e ainda tentava estudar em casa após um dia inteiro de trabalho e após a Maria Luíza dormir. Enfim, essa rotina me deixou estressada e irritada.

Tomada de Consciência e necessidade de mudança

Procurei ser mais produtiva, já que não é possível aumentar as horas do dia e, durante minhas buscas por orientação sobre o assunto, li o maravilhoso livro “Produtividade para quem quer tempo”, de Gerônimo Theml. Nele, há uma recomendação interessante de escrever uma espécie de diário, em que devo listar todas as prioridades para o dia seguinte, informar o que eu aprendi com as experiências do dia e, por fim, listar três coisas para agradecer.

Colocando em prática esse ensinamento do livro, os dias foram passando e notei, ao reler referido diário, um arrependimento que sempre aparecia, principalmente nos dias em que eu estava mais cansada: falta de paciência com a minha filha, irritação com suas birras. Assim, a elaboração de tal diário me deixou consciente de que eu deveria fazer algo para mudar essa situação. Já não bastava constatar o problema, que me deixava imensamente triste. Eu já tinha clareza do problema e precisava buscar uma solução.

Escola de Pais Bee Family

Com esse objetivo na mente, chamou-me a atenção um vídeo da Clarissa Yakiara no facebook sobre a abertura de uma nova turma para o curso Zum Zum de Mães: “um programa diferenciado e acolhedor para mães que desejam falar abertamente sobre limites, raiva, falta de paciência…”.

A Clarissa me passou muita paz, segurança e, principalmente, o equilíbrio que eu tanto buscava. Eu queria ser aquela mãe calma, centrada e linda do vídeo. Aposto que muitas de vocês também desejam isso, não é?!

Não tive dúvidas. Era a minha oportunidade de melhorar essa parte da minha vida, que tanto me angustiava.

Comecei a assistir as aulas, fiz os exercícios e o que guardei de mais valioso foi a necessidade de “estar presente”, consciente, e de ser melhor a cada dia, procurando ser um exemplo para minha filha.

É claro que muitas vezes saio da rotina e acabo cansada, caindo na mesma armadilha e perco a paciência, no entanto, é mais fácil agora recuperar o centro, ficar presente novamente, enxergar de fora o meu comportamento e “ajustar as velas”.

Ser feliz para criarmos filhos felizes

O fato de procurar ser uma pessoa mais realizada para ser uma mãe melhor, me levou a buscar evoluir em outras áreas da vida.

Assim, incluí a rotina de praticar atividade física no meu dia-a-dia, dormir as cerca das sete horas diárias que necessito para me sentir bem disposta e me alimentar melhor.

A rotina que é tão importante para as crianças e inclui essas três atividades fundamentais (sono, alimentação saudável e atividade física), também é importante para nós adultos, para que haja equilíbrio e energia necessários para enfrentarmos o dia e sermos mais produtivos.

Sei que, assim como eu, você se cobra muito, procurando ser perfeita em tudo. No entanto, não somos perfeitas. O que precisamos é nos aperfeiçoar e procurar melhorar um pouquinho a cada dia. Quem já não ouviu aquela frase: “feito é melhor do que perfeito”?

É bem isso. Antigamente eu me torturava pensando: não nasci para isso, não nasci para aquilo. Não levo jeito para ser mãe. Não tenho habilidade para tal coisa. Com o tempo e a disposição adquirir hábitos saudáveis, percebi que precisamos tentar, errar e fazer melhor da próxima vez. Os erros não são mais do que oportunidades de aprender e prosseguir até atingirmos nossos objetivos.

Nascemos com facilidade para a aquisição de certas habilidades, no entanto, as dificuldades em determinadas áreas da vida não podem nos impedir de tentar, treinar e melhorar.

Somos exemplos para nossos filhos

Somos um exemplo para nossas crianças. Assim, a prática de bons hábitos em nossa rotina é percebida e internalizada por nossos filhos.

É muito fofo ver a minha filha me imitando fazendo exercícios, sendo extremamente carinhosa com as próprias bonecas.

Por outro lado, ela fica tão insuportável quanto eu quando está com sono, cansada. Quero mudar esse comportamento nela. Então, devo mudar esse meu comportamento também, pois percebi que essa atitude da minha filha apenas reflete o meu  próprio comportamento.

Desejo que minha Maria Luíza se sinta segura e amada em nossa casa, que adquira valores como honestidade e respeito. Desejo que ela possua motivação para correr atrás dos próprios sonhos e, nas dificuldades, seja resiliente. Assim, devo ser um exemplo de tudo isso para ela.

As intenções acima ficaram evidentes após um exercício proposto numa das aulas do curso Zum Zum de Mães. Tal exercício proporcionou a clareza que eu e meu marido precisávamos na condução da educação da Maria Luíza.

Agradeço à Clarissa Yakiara que, por meio do Zum zum de Mães, me ajudou a ser uma pessoa mais consciente, olhar para mim, procurar suprir minhas próprias necessidades e ir atrás da minha felicidade e realização, para ser uma mãe inspiradora para minha filha.

Giulianna P. Barbosa, mãe da Maria Luiza (4 anos) e participante do Zum Zum de Mães.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *