Um divisor de águas

A maternidade me transbordou. E eu que já sou toda água na vida, me entreguei de corpo e alma nessa aventura que é se tornar responsável por alguém, mas sobretudo por mim mesma.

Talvez esse tenha sido um dos maiores aprendizados que tive ao me tornar mãe. Talvez a célebre frase do livro “O pequeno príncipe” passava realmente a fazer sentido em mim :  “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. Ser eternamente responsável pelo o que cativo é, em suma, assumir a responsabilidade, tomar as rédeas da minha vida, tomar a vida nas minhas próprias mãos. E confesso, aprender isso em meio ao puerpério foi quase que um tratamento de choque, pois, sejamos francos, como é confortável responsabilizar o outro pelo o que nos acontece!? Temos quase a sensação de um prazer mórbido, o de tirar o corpo fora. Aliás, que sábias palavras, “tirar o corpo fora“, é senão a personificação da não responsabilização, é ausentar meu próprio corpo de mim mesma, é sair de cena e continuar sendo a protagonista. Quantas vezes seguimos esse roteiro? Quantas vezes tiramos o corpo fora por medo de encarar a verdade? E que verdade pode ser mais dolorosa do que a dor de viver fugindo dela?

Essas são algumas das minhas reflexões quando penso na sensibilidade do trabalho da Clarissa, e posso afirmar com toda certeza que o Zumzum de Mães foi um divisor de águas na minha vida. Existe uma Iara antes e uma Iara depois do Zumzum. Me lembro, como se hoje fosse, quando finalmente consegui assistir ao workshop gratuito (tentara fazer outras duas vezes e não conseguia – obra do destino?). Tive então a certeza que eu precisava estar entre as mulheres daquela sexta turma que iniciava, tive a certeza também que, aqueles vídeos, disponibilizados generosamente, eram apenas uma pequena, embora generosa, amostra do que realmente a Clarissa tinha a nos oferecer. Fiz a inscrição, consciente de aquele não seria mais um curso online, aquele seria o meu comprometimento real comigo mesma, e assim foi e assim tem sido desde março de 2018. 

Me lembro de cada desafio, de cada conquista, de todas as vezes que eu pensei em desistir, e hoje, um ano e meio depois percebo com gratidão o universo de infinitas possibilidades diante de mim. Agradeço por me comprometer diariamente comigo mesma, me auto responsabilizando e assim, promovendo as mudanças que desejo. Agradeço por cada desafio que me fez e me faz mais resiliente e cada vez mais consciente das minhas escolhas. Sou profundamente grata à generosidade e transparência da Clarissa que, com toda a sua entrega, nos conduz de mãos dadas a um despertar e desabrochar de nós mesmas, para que possamos, diante das dores e delícias de maternar, ser cotidianamente uma versão melhor e mais elevada de nós mesmas. Por nós, pelos nossos filhos, que são a faísca e também o combustível dessa mudança, pela nossa família, pelo futuro de todos nós que merecemos um mundo com muito mais amor, cuidado e acolhimento contornados pelo despertar da consciência com auto responsabilidade e comprometimento. Gratidão 💓

TEXTO escrito por: Iara Schmidt
Iara é mineira, e como boa sagitariana é uma viajante nata e buscadora de si. Mãe de um aquarianinho nascido em fevereiro de 2016 – fonte do puro amor e inspiração infinita – realizou da gestação ao puerpério ritos de passagem que transformaram – e continuam transformando – sua essência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *